Home Saúde Volta às aulas: vacinar crianças e adolescentes pode evitar complicações e transmissão de doenças

Volta às aulas: vacinar crianças e adolescentes pode evitar complicações e transmissão de doenças

9 min read
0
0
21

O início de um ano letivo chega com muitas expectativas. Para os alunos menores, muitas vezes é a primeira experiência em um ambiente escolar e é também o período em que as crianças acabam adoecendo. Pensando em evitar alguns problemas de saúde, é importante seguir alguns cuidados, entre eles, manter o cartão vacinal atualizado.

A médica Monya Garcia, que atua no Hospital Geral Dr. Waldemar Alcântara (HGWA), unidade da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), lembra que no período de volta às aulas as crianças retornam ao maior e mais intenso convívio entre si, facilitando a transmissão de doenças. A pediatra enfatiza que várias delas, principalmente as infecciosas, são imunopreveníveis, ou seja, podem ser evitadas ou amenizadas com a vacinação.

“Como se apresentam com o sistema imune ainda em desenvolvimento, naturalmente as crianças possuem uma tendência maior a apresentar doenças infecciosas, principalmente aquelas que são transmitidas por gotículas, ou seja, por meio de partículas que estão presentes na saliva e que se disseminam através do ar e do compartilhamento de brinquedos e objetos que levam à boca. Graças ao grande avanço científico em que se configura a vacinação, inúmeros desses agentes infecciosos deixaram de circular na nossa sociedade, mantendo nossas crianças protegidas”, destaca.

O Ministério da Saúde conta com o Programa Nacional de Imunização que garante vacinas eficazes e seguras para toda a população, com foco principalmente nos primeiros anos de vida, quando o sistema imune ainda está em desenvolvimento.

No calendário das crianças, estão programadas vacinas contra agentes que podem causar doenças infecciosas graves que podem levar a sequelas e até a óbito, como pneumonias, meningites, coqueluche, catapora, caxumba, sarampo, tétano, entre outras.

“Algumas vacinas também necessitam de reforços programados para a manutenção da proteção, como é o caso da Influenza e da Covid-19. Graças à vacinação, algumas doenças que causaram muita dor no passado já não fazem parte do nosso cotidiano, como a poliomielite e a difteria. Para que continuem longe de nós e a história não volte a repetir, não podemos deixar de vacinar. As vacinas salvam vidas, as vacinas mudaram a história”, afirma a médica pediatra.

Infografia: Iza Machado/Sesa

Para as crianças que estão ingressando em um ambiente escolar ou creche, a principal orientação para manter a saúde das crianças é atualizar o calendário vacinal. Embora às vezes seja inevitável que a criança pegue alguma virose, aquelas vacinadas terão sintomas com menor intensidade e gravidade. Outro ponto levantado pela médica, é que os pequenos que estiverem com algum sintoma devem permanecer em casa.

“Quando a criança apresentar sintomas, o ideal é que se mantenha em repouso em casa com boa alimentação, hidratação e lavagem nasal, apenas retornando às atividades escolares após resolvido o quadro infeccioso. Dessa forma, ajudamos a conter os vírus circulantes, impedindo que sejam transmitidos para outras crianças e permitindo uma melhor recuperação“, orienta.

Além da vacinação, outra forma de manter a imunidade da criança bem protegida é no cuidado com a alimentação. “A melhor receita para melhorar a imunidade das crianças é manter uma rotina de alimentação saudável e balanceada. A lavagem nasal pode ser uma boa aliada no controle dos quadros respiratórios, seguindo corretamente a técnica adequada para cada faixa etária”, diz Monya.

Foto: Bruno Brandão/HGWA

Quadra chuvosa

A pediatra esclarece ainda que os períodos chuvosos são os de maiores índices de doenças nas crianças. Sendo um momento de atenção maior para os pais. “Durante a quadra chuvosa, as pessoas tendem a ficar mais aglomeradas em locais com menor circulação de ar, além de aumentar o risco de focos de água parada. Dessa forma, durante o período de chuvas, circulam com maior facilidade os vírus causadores de patologias respiratórias, gastroenterites e arboviroses”, aponta.

Dia D de Vacinação

A Saúde do Ceará recomenda aos municípios a realização de Dias D mensais para estimular a atualização da caderneta de vacinação. Neste mês, tendo em vista o retorno das atividades escolares, a data sugerida para a mobilização é no dia 27 de janeiro. Para receber o imunizante, a população deve buscar os locais de vacinação de acordo com a programação de sua cidade. Já durante a semana, a recomendação é buscar o posto de saúde mais próximo de casa e atualizar o esquema vacinal.

Kátia Alves

Kátia Alves

Editora-chefe do Contexto Notícias é jornalista formada pela Unifanor em 2006, pós-graduada pela Unichristus em MBA em Gerência de Marketing, Assessoria de Comunicação pela Estácio e Língua Portuguesa pela UniAteneu. Foi jornalista da TV Verdes Mares, TV Fortaleza e TV Ceará. Passou pelos site Pirambu News (@pirambunews) e Somos Mídia (@somosmidia). Passou pelas assessorias do Instituto Isa Magalhães e Superintendência Federal de Agricultura. Atualmente, também trabalha no site Conexão 085 (@conexao085oficial).

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Kátia Alves
Carregar mais Saúde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez − 8 =

Verifique também

Prêmio RioMar Mulher 2024: conheça as 10 personalidades reconhecidas da 8ª edição

“A conquista de uma abre caminhos pra todas” é o slogan da 8ª edição do Prêmio RioMar Mulh…