Home Economia Material escolar fica 8,5% mais caro do que em 2023, mas reajustes atingem até 15%

Material escolar fica 8,5% mais caro do que em 2023, mas reajustes atingem até 15%

6 min read
0
0
21

A volta às aulas está chegando e, com ela, a preocupação dos pais e responsáveis com os gastos com material escolar. Em 2024, os preços dos itens da lista estão, em média, 8,5% mais caros do que no ano passado, mas há aumentos de até 15%.

Segundo a economista e professora da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), Nadja Heiderich, o aumento é resultado de uma série de fatores, incluindo a inflação, o aumento dos custos de produção e o dólar mais alto.

“A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), no acumulado de 12 meses até novembro de 2023, fechou em 4,68%. Isso significa que, em média, os preços de todos os produtos e serviços subiram 4,68% no período de dezembro de 2022 a novembro de 2023”, explica a professora universitária.

Os custos de produção de artigos escolares também aumentaram em 2023. Segundo a Associação Brasileira de Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares e de Escritório (Abfiae), esse aumento foi de 7,5%. O principal motivo foi o aumento dos preços das matérias-primas, como papel e tinta. O dólar americano também se valorizou em relação ao real em 2023, o que encareceu os produtos importados, incluindo os artigos escolares.

Os itens que mais subiram são aqueles que têm maior dependência de matérias-primas importadas, como o papel e a tinta. Entre os itens que tiveram os maiores aumentos, estão: Cadernos: 15%, Lápis de cor: 12% e Borrachas: 10%.

“O Governo Federal ou de outras esferas poderiam intervir para reduzir o impacto do aumento dos preços do material escolar. Uma possibilidade seria a concessão de subsídios para as famílias de baixa renda”, recomenda Nadja.

Dicas para economizar

  • Pesquisar preços em diferentes lojas, inclusive online. O mesmo item pode ter preços bem diferentes de uma loja para outra, inclusive entre lojas online e físicas.
  • Comprar itens de marcas mais baratas. Nem sempre as marcas mais caras são as melhores.
  • Aproveitar as promoções. Muitas lojas oferecem descontos e promoções durante o período de volta às aulas.
  • Reutilizar o material do ano anterior. Se possível, verifique se o material do ano anterior ainda está em bom estado.
  • Comprar material escolar usado. Existem várias opções para comprar material escolar usado, como sites de compra e venda online, grupos de troca em redes sociais e bazares de escolas.
  • Com um pouco de planejamento e pesquisa, é possível economizar na compra do material escolar e aliviar o orçamento familiar.
  • Na opinião da economista, o aumento dos preços do material escolar pode impactar negativamente a educação das crianças e adolescentes, visto que muitos pais e responsáveis podem ter dificuldade em arcar com os custos, o que pode levar à redução da frequência escolar ou ao uso de materiais de menor qualidade.

Kátia Alves

Kátia Alves

Editora-chefe do Contexto Notícias é jornalista formada pela Unifanor em 2006, pós-graduada pela Unichristus em MBA em Gerência de Marketing, Assessoria de Comunicação pela Estácio e Língua Portuguesa pela UniAteneu. Foi jornalista da TV Verdes Mares, TV Fortaleza e TV Ceará. Passou pelos site Pirambu News (@pirambunews) e Somos Mídia (@somosmidia). Passou pelas assessorias do Instituto Isa Magalhães e Superintendência Federal de Agricultura. Atualmente, também trabalha no site Conexão 085 (@conexao085oficial).

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Kátia Alves
Carregar mais Economia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × quatro =

Verifique também

Theatro Via Sul recebe espetáculo do Peter Pan

Uma aventura na Terra do Nunca: Acredite nos seus sonhos! Esse clássico ganhará uma montag…