Home Cidade Especialistas trabalham para recuperar área do Parque do Cocó atingida por incêndio florestal

Especialistas trabalham para recuperar área do Parque do Cocó atingida por incêndio florestal

8 min read
0
0
34

A titular, Vilma Freire, da Secretaria do Meio Ambiente e Mudança do Clima (SEMA) esteve na manhã da última quinta-feira (25), na área do Parque Estadual do Cocó, atingida por incêndio, na última semana. Ela visitou o local com o Grupo de Trabalho Técnico (GTT) que avalia o solo e a vegetação queimados para diagnóstico inicial dos impactos.

De acordo com a secretária, o trabalho deverá ser encerrado em dez dias. “Em seguida, vamos iniciar ações para recuperação da área degradada, a partir das indicações do estudo realizado pelo grupo”, disse.

Sobre as investigações para tipificar se o incêndio foi criminal ou não, Vilma afirmou que a SEMA não entra nesta “seara”. “Não queremos interferir no trabalho que está sendo muito bem feito pela Perícia Forense, que segue colhendo e analisando material”, declarou.

Ela fez questão de ressaltar a equipe que compõe o GTT, sob a orientação do professor Luiz Ernesto Bezerra, coordenador do Programa Cientista Chefe Meio Ambiente Sema/Funcap. “Com certeza vai nos trazer um bom diagnóstico do solo e da flora”, encerrou.

O coordenador informou que professores da UFC, Uece e do Labomar, integram a equipe multidisciplinar der especialistas em solo, flora e manguezais.

“O nosso primeiro passo é fazer um diagnóstico e para isso, já foram identificados os três ambientes que existiam na área antes do sinistro: uma parte são dunas, a parte central e a mais impactada, um brejo, que no período chuvoso alagava com água doce, e mais perto do rio, uma vegetação de mangue”, relatou. O grupo fez uma coleta para avaliar o tipo de solo. “Muito importante para o diagnóstico e para propor ações de como restaurar a área”, completou.

Foto: Sema/Ce

Vegetação nunca cresceu

O pesquisador esclareceu que o histórico da área afetada já foi feito. No local existia uma salina e devido à presença de sal, provavelmente, a vegetação nunca cresceu, principalmente na parte central, a mais atingida pelo fogo. “É visível que já era impactada e que necessitava de ações, pois o mangue aqui não se recupera, como não se recuperou desde os anos 1970!”, alertou.

Trata-se de uma área muito baixa, onde ficavam os tanques da salina. Quando chovia, virava um alagadiço e na estiagem aparecia um capim, a taboa, muito propensa ao fogo. “Nessa área central é pouco provável que o plantio funcione devido o sal, mas na área de mangue, pode ser que seja possível fazer um replantio, trazer muda e plantar”, afirmou.

Perguntado sobre o tempo necessário para recuperar a área, o especialista explicou que qualquer projeto para recuperação de um mangue, mesmo que se faça o plantio, o tempo para ter resultado é de pelo menos cinco anos. “Aqui vai depender de quanto vai chover, vai depender também do tipo de ação. Em muitos casos, a única coisa a fazer é não fazer nada. Dependendo do impacto, o manguezal rapidamente se autorregenera”, explicou.

“Se a Sema quiser que tudo seja mangue, será necessário uma grande intervenção e vai depender do que quer que seja feito e de quanto tem para fazer”, completou.

Foto: Sema/Ce

Equipe

O professor Ernesto é um especialista em recuperação de manguezais, assim como o professor Gabriel Nuto, do Departamento de Solos da UFC, é quem está fazendo todas as análises da composição do solo. Também no grupo, o professor Marcelo Moro, especialista em vegetação e biodiversidade, o professor Rafael Costa, do Departamento de Biologia da UFC, outro especialista em vegetação, e o professor Alexandre Torres da Geografia, especialista na área de Gestão Ambiental. “A ideia é que o grupo acompanhe o trabalho a longo prazo”, encerrou.

Kátia Alves

Editora-chefe do Contexto Notícias é jornalista formada pela Unifanor em 2006, pós-graduada pela Unichristus em MBA em Gerência de Marketing, Assessoria de Comunicação pela Estácio e Língua Portuguesa pela UniAteneu. Foi jornalista da TV Verdes Mares, TV Fortaleza e TV Ceará. Passou pelos site Pirambu News (@pirambunews) e Somos Mídia (@somosmidia). Passou pelas assessorias do Instituto Isa Magalhães e Superintendência Federal de Agricultura. Atualmente, também trabalha no site Conexão 085 (@conexao085oficial).

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Kátia Alves
Carregar mais Cidade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × cinco =

Verifique também

Circo Americano faz Espetáculo Inclusivo no próximo domingo (3)

Durante o show, as luzes do picadeiro e da plateia serão suavizadas, a trilha sonora será …